Publicidade - OTZAds

Mestres do Universo| Kevin Smith rebate críticas à série animada da Netflix: “Cresçam”

Mestres do Universo| Kevin Smith rebate críticas à série animada da Netflix: “Cresçam”

POR ADAILTON MORAES

ATENÇÃO! O POST A SEGUIR CONTÉM SPOILERS

Sim, a Netflix enganou todo mundo! Recentemente estreou no catálogo do streaming o remake da franquia He-Man, um dos heróis mais famosos dos anos 80, a série animada intitulada Mestres do Universo: Salvando Eternia. Logo na divulgação das primeiras imagens, os fãs do clássico personagem ficaram muito satisfeitos com a aparente fidelidade ao material original, e o hype estava lá em cima; mas tudo mudou com o fim da primeira parte da animação.

Publicidade - OTZAds

Se você já assistiu à série, deve ter notado que HeMan não é o grande protagonista como era na série clássica, na verdade, o poderoso herói é uma espécie de inspiração para toda a trama e simplesmente “morre” logo no primeiro episódio. He-Man e Esqueleto travam uma frenética batalha e o herói acaba se sacrificando por Eternia, desaparecendo juntamente com seu arqui-inimigo. Isso revelou o protagonismo de Teela e maior participação de outros Mestres do Universo, o que gerou grande revolta em parcela dos fãs, que acusam a Netflix de ter usado a fama de He-Man para “lacrar” com uma protagonista feminina. Mas Kevin Smith, diretor da série, foi bem categórico ao rebater às críticas:

Publicidade - OTZAds
Anúncios

Sei que há fãs aí reclamando que essa série é uma ‘lacração’. Mas então o original ao qual estamos dando sequência também era. Vá assistir de novo. Há garotas em todos os episódios, lide com isso. Quem fala que não tem He-Man o suficiente não entendeu a série original. Havia episódios em que ele perdia a espada e nunca e tornava He-Man. Não era como se He-Man sempre salvasse o dia. Seus amigos o ajudavam; essa era a p**** do ponto da série.”

disse kevin smith em entrevista à variety

Kevin Smith ainda foi curto e grosso ao responder às acusações de que teria se livrado de He-Man por puro capricho, dando a entender que o personagem ainda terá destaque:

“Você realmente acha que a Mattel Television, que me contratou e me pagou, quer uma p**** de um ‘Mestres do Universo’ sem He-Man? Cresçam.”

Anúncios

Acontece que no quinto episódio da primeira parte de Mestres do Universo, o Príncipe Adam/He-Man “morre” de novo e o vilão Esqueleto consegue se tornar o grande Mestre do Universo e prevalecer sobre os heróis, o que deixou os fãs ainda mais revoltados. Mas em momento algum temos a confirmação de que Adam está morto, apenas que foi ferido gravemente por Esqueleto, e com as palavras de Kevin Smith cabe a interpretação de que jamais iriam querer um projeto com os Mestres do Universo sem o seu principal herói, o He-Man. Portanto, é melhor esperar a segunda parte para tirar conclusões a respeito do fim de He-Man.

Publicidade - OTZAds

Mas e você, o que achou dos primeiros cinco episódios de Mestres do Universo? Gostou do protagonismo dado à Teela? Deixe sua opinião nos comentários.

11 comentários sobre “Mestres do Universo| Kevin Smith rebate críticas à série animada da Netflix: “Cresçam”

  1. Sou um fã da antiga série, e assistí a continuação que pra me foi simplesmente fantástica, e qual a ausência do HE-MAN nessa série? não se trata de uma continuação direta da série antiga? A série só nos mostrou um lado em que tudo pode acontecer. Foi simplesmente fantástica!! Ancioso pela continuação…

  2. Achei o desenho inteiro uma enganação e uma porcaria. Talvez nem veja a continuação. Muita enrolação e o final, então, patético. A questão não é crescer. Esse sujeito precisa respeitar os adolescentes nos anos 80 que assistiram He-Man. Talvez somente a nova geração goste. E tenho minhas dúvidas.

  3. Eu gostei sim da sequencia , apesar de he man nao aparecer mais deduzi que ele voltaria na segunda parte , apesar de ter sentido muito a falta nao só de he man mais tbm de Adan , eu achei muito bom a historia , incrivel na vdd , os fãs claro queria He man ja de emediato como antes , mais persebi q esta nova historia e mais profunda , mais detalhista dando foco tbm aos outros mestres , mais mesmo assim adorei , agora na segunda parte espero msm ver He man e tbm Adan inrequesendo ainda mais a historia , quem sabe dai nao sai um filme um longa de otima qualidade .

  4. Odiei muito. Pra esse tipo de protagonista ja temos sherra. E outra ele que vai fazer as coisas do gosto dele so pra ele . Se pra nos , queremos no nosso gosto.

  5. Essa palavra da moda “lacração” quando uma obra aborda temas sensiveis a sociedade tenta desmerecer o debate proposto. No original tinha lacração também, falaram de assédio sexual, uso de entorpecentes, brigas em escolas…tanto que no início dos anos noventa alguns críticos consideravam a obra muito careta e conservadora. Esse He-Man não é um remake, é uma continuação da série clássica, feita por outra equipe em outra época e que vive outros dilemas.
    Como Kevin Smith disse, “CRESÇAM!”.

    1. Meu… assédio sexual, entorpecentes e brigas em escolas não é nem nunca foi “lacração”. Essa palavra é usada para definir, por exemplo, temática feminista, lgbtqvxyz…, Ideologia de gênero e linguagem neutra, basicamente falando. O desenho original não tinha nada disso. As personagens femininas sempre foram fortes, sem perder sua feminilidade. Nesta versão, já tivemos 2 personagens grandes e masculinos morrendo, o que é um absurdo. Quer fazer um desenho com temática adulta, faça outro “Invencível” e faça o sangue escorrer na tela, mas não estrague a expectativa dos adolescentes dos anos 80, desconstruindo totalmente o personagem e a estória. Teela sempre foi um personagem principal e com muito potencial, afinal, ela deverá substituir, um dia, sua mãe, a Feiticeira. Ela merece um arco dela? SEM DÚVIDA!!! Mas ao matar He-Man no primeiro episódio, transformou a série no desenho dela. E quer saber, ele queria essa polêmica toda, por isso parou a primeira parte com apenas 5 episódios. Esperamos a estréia desse desenho há meses. Ele poderia muito bem ter feito uma temporada com tamanho decente…pelo menos 12 episódios…desenvolvido melhor a trama…amenizado os baques que causou na maioria dos fãs. Outra grande falha… a espada do poder já havia sido dividida, formando a espada da luz da She-Ra. Agora ela se divide novamente? Quantas espadas foram usadas para forjar a espada do He-Man? Lembrando que esta é uma continuação do desenho do HE-MAN dos anos 80. Putz…tem muita coisa pra se falar e já falei muito… desculpe…até agora me decepcionei com o desenho. Espero que melhore e muito!!!

  6. Eu amei a Serie nova De Masters Of The Universe, a trama mostrou com uma justificativa plausível a revolta de Teela que representou muito bem ao receber a responsabilidade de unir as duas espadas e salvar a magia de Eternia, a Teela é uma grande guerreira.
    Outro destaque maravilhoso foi o comovente diálogo de Pacato com Teela …. Foi lindo!!!
    Em relação em ter revelado os Alter Ego do passado, ressalto aqui o HeRo o primeiro a receber dos MAGOS FERREIROS TROLANOS a espada do poder, ressaltado no capitulo 5 da série… (Estes magos segundo documentos antigos sobre o Universo MOTU, é na verdade o Deus Supremo criador do Universo e que encontrou refúgio no planeta Trolla – O mesmo planeta do Gorpo).
    O Universo MOTU é muito complexo e tem muitos fatos ainda para serem revelados.
    Eu amei a nova Série, uma verdadeira obra-prima.

  7. Foi uma porcaria desrespeitosa e mal escrita. Nem pra fazer uma história descente esquerdista serve. (Nem pra ser sutil na lacração, vai logo e mata o protagonista HOMEM, aquele que leva a porra da séria nas costas desde os anos 80 para emplacar uma heroína no lugar, sendo que já temos She Ha pra isso, completamente desnecessário e desrespeitoso)

  8. Péssimo, como sempre os desenhos (coincidência ou não) destinados à Netflix tendem ao fracasso. Aí o cara manda a gente “crescer”? Kkkkkkkkkkkkkkk.
    Faz um desenho da Teela pra vc mano, até pq duvido que vai longe o projeto “Teela do Universo”.
    Depois de na Netflix transformar o Cavaleiro do Zodíaco de Andrômeda numa moça de verdade, sorry, vcs que produzem desenhos modernizados estão bem ruins de roteiro.
    #melhorem

  9. 1) A série não é um remake nem reboot, é uma espécie de “continuação espiritual”.
    2) A série anterior tinha uma profundidade comparável com Patrulha Canina, era um desenho para crianças de 5-8 anos
    3) He-Man não morre no quinto episódio, só um idiota acharia isso.
    4) É nisso que dá pegar um cara que nunca assistiu a série e provavelmente não fez pesquisa pra escrever bobagens. Artigo ruim da peiga
    5) A série ficou fantástica, muita gente curtindo também, só que os chorões são mais barulhentos.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: